Reconhecer a sexualidade da pessoa com deficiência intelectual como uma esfera presente no seu desenvolvimento biopsicossocial é um tabu a ser enfrentado pelos educadores sociais que lidam com essa população. As manifestações sexuais causam conflitos não apenas para a pessoa com deficiência intelectual, mas repercutem numa desestruturação do ambiente em que está inserido, pois a expectativa geral é que não tenham nenhum tipo de comportamento associado à expressão da sua sexualidade, demonstrando dificuldade de entendimento e preconceito.

A vulnerabilidade dos adolescentes com deficiência intelectual pode ser agravada por ausência de informação sobre sexo e sexualidade, elevado risco de violência e estupro aliado à ausência (ou fragilidade) de proteção legal; podendo repercutir em maior risco para a infecção por uma doença sexualmente transmissível ou uma gravidez não planejada.

Com a utilização do kit TODO CORPO MUDA o projeto propõe contribuir para a adequação social dos adolescentes com deficiência intelectual por meio da aprendizagem sobre o corpo, o autocuidado, o conceito de atividades sexuais públicas e privadas, o conhecimento sobre a reprodução e a técnica correta de colocação do preservativo. Tudo isso é trabalhado em oficinas lúdico-educativas numa nova proposta metodológica de educação sexual, desenvolvida por meio de um kit educativo inédito.  

Esse projeto foi financiado pelo FUMCAD/SP em 2012/2013 com o título do kit - TODO CORPO MUDA, tendo beneficiado 200 participantes entre 13 e 21 anos de instituições especializadas, com o apoio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social da cidade de São Paulo.

O trabalho foi apresentado em pôster no XXI Congresso Mundial de Sexualidade Humana da WAS (Associação Mundial de Saúde Sexual) em 24/09/2013.

O livro Diferente mas não desigual da autora Maria Helena Vilela foi o embasamento para a construção do projeto, sendo um material indispensável para a compreensão do desenvolvimento da sexualidade nas pessoas com deficiência.