Instituto Kaplan
 

 

Desejo Sexual: O ingrediente indispensável para o sexo

Não passa pela cabeça da maioria das pessoas que adolescentes também possam sofrer de falta de desejo sexual, que é uma das disfunções sexuais mais comuns na nossa população. Tudo começa muito bem. O casal está completamente apaixonado, e qualquer oportunidade de transar ou trocar carícias não é desperdiçada! Mas, depois de algum tempo, sem um motivo aparente, vem a queixa: um dos parceiros perdeu a vontade de transar. Foi assim com Mário e Lídia. Começaram a namorar e, aos 6 meses de namoro, transaram. Hoje, 1 ano depois, eles estão se perguntando o que está acontecendo com eles. Se ainda estão a fim de ficarem juntos, por que Lídia já não tem tanta vontade de transar?

Desejo sexual

Uma relação sexual acontece em 4 etapas: desejo sexual, excitação, orgasmo e resolução. Neste artigo, vamos falar sobre o desejo. Por ser a primeira etapa de nossa resposta sexual, muitas vezes o desejo não é percebido, ou não lhe é dado o devido valor. O desejo sexual é uma condição indispensável para uma transa acontecer, porque ele é a motivação para o sexo; é o tesão, o que dá emoção. Aliás, tudo que a gente faz na vida, para ser prazeroso, precisa ser movido pelo desejo. Parece óbvio, mas nem sempre as coisas acontecem nesta sequência!

Muitas vezes, porque um dos parceiros quer transar, o outro se sente na obrigação de corresponder, pondo o seu desejo em segundo plano. O resultado, em geral, é frustrante. Cada pessoa tem um jeito próprio de funcionar. Para haver a sintonia, é necessário que alguns ingredientes importantes para despertar o desejo sexual de cada um façam parte da relação.

No início do namoro, a paixão é um ingrediente que garante o tesão. A paixão, em si, é um estado de motivação para o sexo. Porque naturalmente ela cria situações que são estimulantes para acionar o desejo sexual. Apaixonados, nós só pensamos e enxergamos o que o outro tem de bom, as coisas boas que se podem fazer juntos, o quanto é gostoso estar a sós... Tudo é novidade, e cada beijo, cada olhar, cada palavra se tornam um estímulo sexual.

Mas, com o tempo, a paixão passa, e fica o amor, a afetividade. A sintonia do desejo sexual pode deixar de existir e, no seu lugar, entra o verdadeiro relacionamento sexual entre o casal. É hora de se prestar atenção em si e no outro, e aprender a identificar a linguagem corporal, como a sensualidade, um olhar especial, um jeito de acariciar, que informam aos parceiros a disposição de se fazer sexo.

O nosso desejo sexual é influenciado e moldado predominantemente pela aprendizagem de valores e pelo contexto social em que se dão nossos encontros amorosos. Portanto, se uma garota, para sentir tesão, precisa ser elogiada pelo namorado, a lembrança de uma boa transa que eles viveram há alguns dias pode não ser o suficiente para deixar o desejo sexual em estado de alerta! É importante descobrir como cada um se sente valorizado como homem, ou como mulher; que carícias despertam o desejo, e como se quer ser abordado sexualmente. Em outras palavras, namorar é preciso! O desejo sexual está diretamente ligado à qualidade das relações e ao interesse entre os parceiros.

Como funciona o desejo sexual

O desejo sexual é uma necessidade que faz homens e mulheres procurarem, iniciarem e/ou responderem à estimulação sexual. Ele não é apenas uma sensação ou uma idéia da nossa cabeça. É um estado de motivação, ou um impulso que é gerado no cérebro do mesmo jeito que a fome, a sede, o calor, o frio. O centro regulador do sexo fica situado no hipotálamo e funciona sob o comando de duas forças: o motor erótico e o freio sexual.

O desejo sexual normal depende do bom equilíbrio entre o motor erótico, que estimula a vontade de fazer sexo, e os freios sexuais, que mantêm sob controle as nossas vontades sexuais, ajustando-as às oportunidades e riscos do meio ambiente. Se o mecanismo de controle sofrer qualquer alteração, a pessoa pode apresentar um aumento ou uma diminuição anormal do desejo sexual.

Assim, uma das hipóteses para o comportamento de Lídia é que a regulação de seu desejo sexual esteja sofrendo uma alteração. Isto pode ser causado por fatores biológicos, como alterações hormonais, e/ou por aspectos psicossociais, tais como uma educação sexual muito rígida, a percepção do parceiro como não sendo mais atraente, ou, às vezes, até mesmo repulsivo, por representar um perigo extremo iminente (como, por exemplo, o medo de ficar grávida, pegar uma doença sexualmente transmissível, ser descoberta pelos pais, ser assaltada), ou ainda por pensamentos que provocam raiva ou ansiedade.

Em geral, homens e mulheres apresentam diminuição do desejo sexual em razão de conflitos psicológicos, dificuldade de relacionamento, estresse e depressão. Cabe ao casal conversar e tentar identificar os ingredientes que acionam ou impedem o desejo sexual no relacionamento.

O desejo sexual é a etapa que define a qualidade da relação sexual. Devemos respeitar nosso desejo. Se a conversa não for suficiente para o casal descobrir o que está acontecendo, isto pode ser um sinal de que o casal precisa procurar profissionais para ajudá-lo. É preciso procurar um médico para eliminar os fatores biológicos/fisiológicos e, caso não haja causa física, conversar com um terapeuta sexual.

Escrito por Maria Helena Vilela

Tags: desejo,resposta sexual

O S.O.Sex - Serviço de Orientação Sexual à distância é uma das áreas de atuação do Instituto Kaplan. Criado em 1992, tem como objetivo atender as pessoas que buscam esclarecimentos de suas dúvidas sexuais, por meio de atendimento gratuito e personalizado. Até 2011 mais de 150.000 dúvidas foram esclarecidas e hoje atendemos poEmail. Saiba mais sobre nosso trabalho e resultados.