Instituto Kaplan
 

 

Os jeitos de encantar um garoto

Um sorriso, um remexer de quadris ao andar, um balanço de cabelos, um perfume suave, um olhar penetrante, do tipo que dura uns longos dois ou três segundos, e que é seguido de um sorriso, um baixar de olhos, até m desvio do olhar... Pronto!!! Acontece o momento mágico tão sonhado - o garoto fica caidinho pela menina. Parece simples assim, mas é mais complicado. Conquistar alguém é despertar nele o encantamento, e isto nem sempre depende de situações programadas e da nossa habilidade de sedução. Para que ocorra essa magia, é preciso haver uma identificação entre o casal, que John Money chama de “mapas amorosos”. Segundo este autor, muito antes de escolhermos entre uma ou outra pessoa, já temos construído na nossa mente um mapa cheio de circuitos cerebrais que determinam o que ou quem desperta nosso interesse e nosso desejo. Seria esse “mapa” que nos levaria a nos apaixonarmos por uma pessoa e não por outra. Portanto, nem sempre o jogo de sedução funciona, não é em qualquer pessoa que a gente consegue provocar atração!

A garota preferida

O mapa amoroso que está dentro de nós funciona como um álbum de fotografias que é consultado, mentalmente, milhares de vezes ao longo da vida, sempre que surge alguém interessante a nossa volta. Um perfume pode fazer lembrar a mãe, uma expressão, recordar os traços do pai. Portanto, só quando ocorre o encontro com pessoas que possuem características parecidas com aquelas que temos registradas como significativas, é que pode acontecer a verdadeira paixão. Assim, o conceito de mulher, que o garoto tem em mente é muito mais poderoso no processo de conquista do que a sensualidade e disponibilidade sexual de uma garota. E é aí que está a complexidade! Qual é este tipo de menina que atrai, hoje, os meninos?

Antigamente, uma menina sabia como tinha que ser e o que desenvolver para preencher o modelo de mulher da época e tornar-se uma garota com potencial para conquistar um namorado. Bastava ser discreta, dengosa e prendada (saber costurar, cozinhar, cuidar de uma casa e saber lidar com crianças). Mas, hoje, a mulher não é mais, apenas, dona de casa. Aliás, ela está, cada vez mais, sendo preparada mais para sua vida profissional do que para a vida familiar. Portanto um parâmetro generalizado de menina preferida não existe mais. Além disso, os elementos que podem desencadear o sucesso profissional, como ser estudiosa, ousada, independente podem amedrontar o garoto, ou pelo menos podem não ser atraentes à primeira vista. Aparentemente só há uma certeza, o que agrada aos meninos é o apelo sexual.

De fato, a atração sexual é um motivo muito forte para despertar o interesse de um garoto. No entanto, para o psiquiatra, Vitor Dias, não é só isso que determina o relacionamento. Da mesma forma que as meninas, os meninos também sentem a atração afetiva e uma atração intelectual que podem ser tão ou mais significativas no processo de encantamento. Aprender sobre cada uma dessas modalidades pode ajudar as meninas a encontrarem o seu próprio jeito de conquistar os garotos.

Atração sexual

O foco da atração sexual está no corpo: aparência, timbre de voz, movimentos, cheiro, toque; ou seja, o corpo, como um todo, pode desencadear uma forte atração. Enfim o que atrai um garoto é um corpo que ele ache bonito e isso pode variar de acordo com o gosto de cada um. Corpo atraente não é necessariamente magro e malhado. No entanto independente do tipo físico, o corpo deve ser bem cuidado. Unhas feitas, ou pelo menos aparadas e limpas, banho tomado, e principalmente, cabelos bem lavados são fundamentais para despertar atração sexual. Além disso, cada menina deve explorar o que tem de mais belo e sedutor no seu corpo.

Atração afetiva

As meninas, mais do que os meninos, de modo geral usam a sedução afetiva como meio de encantamento. A atração afetiva existe quando o menino gosta do “jeito de ser” da menina: seus gestos, suas atitudes, sua forma de se expressar, de fazer as coisas, de se vestir, de se posicionar nas situações. Enfim seu jeito desencadeia no garoto um intenso desejo de estar com ela, bem como sentimentos de ternura, amizade e amor, que são os que as garotas mais prezam. Portanto, manter a espontaneidade, o bom humor, a autonomia e, um certo desapego em relação ao garoto podem ser o segredo de uma conquista, e não, como muitas garotas acreditam, ficar à mercê dos caprichos dele.

Atração intelectual

Atração intelectual existe quando o menino aprecia o jeito de pensar da menina: a forma de ver a vida, as expectativas, os valores morais, religiosos, a forma de se comportar na vida em relação a si, aos outros e ao mundo. Quando coincidem os jeitos de ser do menino e da menina, surge a sensação de ser compreendido, de cumplicidade diante do mundo. Portanto, ler, ir ao cinema, teatro, participar de projetos sociais são atitudes que ajudam bastante a desenvolver as próprias convicções sobre temas significativos.

Meninas: invistam em vocês! Seu jeito será sempre capaz de encantar um garoto que busca alguém como você.

Escrito por: Maria Helena Vilela

Tags: ficar,sedução,namoro

comentários.

O amor e seus estágios

Na escola, no clube, numa festa, quando menos se espera, acontece o momento mágico em que homem e mulher sentem-se atraídos um pelo outro. A linguagem dos olhos é a que primeiro sinaliza esse encantamento. Uma troca de olhar intencional, por uns longos dois ou três segundos, depois um sorriso e aquele que está fixando o olhar, baixa os olhos e desvia o rosto. Sinal de interesse extremo! Ainda não é amor, mas, a partir desse momento, pode nascer esse sentimento tão desejado.
Primeiro estágio: a paixão

Uma música, um sorriso, o som da voz, o jeito de andar, dançar, o perfume, uma brincadeira inteligente... E pronto!!! O cérebro é invadido por uma onda gigantesca de excitação. A mais leve percepção do ser amado desperta um turbilhão nos apaixonados. Independente de idade, etnia, ou condição socioeconômica, todos experimentam o mesmo estado confuso de expectativa, esperança, agonia e plenitude.

1º Estágio – a Paixão

A paixão é euforia, agonia e tormento. De repente nos pegamos sonhando acordados durante uma aula importante, esquecemos as coisas, perdemos a noção de espaço e tempo, o que nos faz, por exemplo, ficar horas ao lado do telefone esperando ansiosamente que ele toque.

Tudo isso estimula a produção de substâncias em nosso organismo, chamadas "neuraminas", que geram uma energia muito parecida com a das anfetaminas. Tais estimulantes penetram nos centros emocionais do cérebro, por isso os apaixonados podem passar a noite inteira em claro e, na manhã seguinte, ter disposição para começar cedo suas atividades. As neuraminas também são responsáveis pelo otimismo e a expressão cheia de vida, características de quem vive uma paixão.

Não é qualquer pessoa que provoca esse tipo de atração e consegue despertar as neuraminas. Para que ocorra essa "faísca", é preciso haver uma identificação, o que John Money chama de “mapa amoroso”, que funciona dentro de nós como um álbum de fotografias, de modelos de pessoas, que será consultado milhares de vezes ao longo da vida. Um perfume pode fazer lembrar a mãe, uma expressão, recordar os traços do pai. É o "mapa amoroso" que determina, sem a gente saber, a pessoa que é capaz de provocar em nós a paixão.

Mas tal estado não dura para sempre! Com o tempo, o cérebro não consegue mais suportar esta contínua exaltação. As terminações nervosas ficam esgotadas e o êxtase desaparece. Daí a paixão vai diminuindo. Certas pessoas conseguem mantê-la acesa por algumas semanas ou meses. Na adolescência, por exemplo, é comum a paixão durar apenas uma semana. Outras pessoas conseguem sustentá-la por vários anos, principalmente à distância, ou quando se trata de um amor impossível. A maioria dos parceiros, entretanto, que se vêem regularmente sente a euforia da atração durante, no máximo, dois a três anos.

Segundo estágio: o afeto

Quando a paixão diminui, a mente pode ser invadida pelo sentimento muito desejado no relacionamento: o afeto. Segundo o Psiquiatra Vitor Dias, este sentimento é definido como uma sensação de satisfação por ter o outro como companheiro. É quando os amantes passeiam juntos de mãos dadas, dão risadas num cinema, dançam, conversam, sentem-se felizes por estarem um com o outro. O mundo é uma maravilha e qualquer lugar, desde que estejam juntos - um paraíso!

Felizes para sempre?

Nem todos os encontros amorosos terminam como os contos de fadas: "... e eles foram felizes para sempre!" O relacionamento amoroso passa, necessariamente, por uma fase de decepção, frustração, de acordo com o Dr. Vitor. Quando a convivência fica mais intensa, as pessoas começam a ter uma visão mais realista de seu par. Este é o momento no qual a garota descobre que "seu príncipe" não é só romântico, poeta, engraçado e compreensivo: ele fica de mau humor, transpira, é irônico, e muitas vezes intolerante... O garoto descobre que “sua princesa” não é a imagem e semelhança da musa que lhe inspirou os versos, mas uma menina comum: vaidosa, ciumenta, cheia de altos e baixos... Enfim, neste momento do desencantamento, aflora o fato de que a Bela pode virar Fera de uma hora para outra. É a percepção do óbvio: o ser amado, como todo mundo, não passa de uma pessoa com virtudes, mas também com defeitos. É neste momento que as juras de amor caem por terra e se instalam a decepção e a frustração. Mas não significa, necessariamente, que é o final da relação. Na verdade, este pode ser o início da relação amorosa. Tudo vai depender da maturidade e do respeito entre casal para superar a turbulência e, respeitando os valores do outro, conhecer o que talvez seja o verdadeiro significado do amor.

Escrito por: Maria Helena Vilela

Tags: amor,paixão,namoro,ficar

comentários.

Como conquistar uma garota

“Logo na manhã do Dia dos Namorados, véspera de Santo Antônio, compre um metro de fita azul de qualquer largura e escreva nela o nome completo da pessoa amada. À noite, conte 7 estrelas no céu, sem apontar, e faça um pedido ao santo para que ele ajude você a conquistar o coração dessa pessoa. No dia seguinte, amarre a fita nos pés da imagem de Santo Antonio e deixe lá, até conseguir namorar.”

Fazer uma fezinha em Santo Antônio para namorar a garota dos seus sonhos pode até ajudar, mas você precisa fazer a sua parte: conquistar! A conquista é um jogo entre duas pessoas, que diferente do que muitos jovens pensam, não leva em conta apenas aparência física e a potência sexual; mas também os gestos, atitudes, palavras e virtudes, muitas vezes simples. Portanto, a conquista depende mais de você do que de Santo Antônio. E isso foi percebido por alguns meninos que me escreveram no SOSex, solicitando sugestões para conquistar uma garota e informações sobre o que se deve conversar num primeiro encontro. Foi isto que me inspirou a escrever este texto.
A conquista não tem uma receita mágica, mas aí vão algumas sugestões para ajudar nos primeiros passos desse jogo da conquista.

 

Visual que conquista

Manter o peso no limite saudável é importante, mas se engana quem acredita que o visual que interessa às meninas é só o tipo “atleta” - quanto mais músculos, melhor. Para muitas meninas, os musculosos fazem sucesso, mas nem todo mundo tem as mesmas preferências. Portanto, não se sinta fora do páreo, se você não se encaixa nesta descrição. O corpo bem modelado ajuda num primeiro olhar, mas não é o mais importante para as meninas.

Um ponto fundamental é o sorriso! As garotas adoram estar com pessoas bem-humoradas. Por isso, investir nos dentes é importantíssimo! Dentes limpos e bem ajeitados, e hálito bom ajudam a dar maior confiança em si.

Outro ponto que exige uma atenção especial são as unhas da mão, porque não há garota que goste de unhas sujas e compridas.

Os cabelos, o hálito e o corpo, como um todo, precisam cheirar bem. Quando se tem dificuldade em se livrar do chulé ou do cheiro forte nas axilas, deve-se procurar um médico endocrinologista para avaliar o que está acontecendo.

Por fim, uma sugestão importante a respeito da aparência: a roupa escolhida deve cair bem e deixar no menino a sensação de sentir-se bonito e atraente. Em momentos de grande pressão, é fundamental se sentir bem vestido, pois isso aumenta a auto-confiança.

Para complementar, deve-se observar a postura, os gestos e o modo de andar devem ser elegantes e não “desconjuntados”.

Atitudes sedutoras

Além da aparência, o garoto deve ter “atitude”. Se estiver interessado em uma menina, deve demonstrar! A garota só pode perceber o menino se ele chamar sua atenção. No entanto, é preciso cuidado para não chamar a atenção de um jeito errado. O garoto não deve ser insistente nem direto de mais, do tipo que pergunta logo, se a menina quer ficar com ele. Tal atitude pode amedrontar a menina que ainda está insegura quanto ao que sente. Além disso, fazer um certo charme e criar um mistério quanto ao próximo passo, pode ajudar a aumentar o interesse da garota pelo garoto.

Na conquista, o garoto deve evitar vangloriar-se ou exibir-se no primeiro momento em que estiver com a garota. Agrada mais aquele que, ao invés de olhar para si, observa a garota e vê nela algo que merece um elogio sincero, ou então aquele que escuta. Isso não significa que o garoto não pode mostrar seu potencial, se é bom nos estudos, no esporte, na dança ou em qualquer outra coisa. As meninas gostam de garotos que acreditam neles mesmos, e que têm algo de muito bom para ser admirado.

Uma das melhores sugestões para melhorar a conquista é ler livros. Cultura é altamente sedutora! Uma coisa que apaga o interesse de uma menina é um garoto que não tem o que conversar. Não é necessário ser um “especialista”, mas é bom estar informado, sabendo de novidades de vários temas, para poder conversar com facilidade e assim se tornar mais interessante.

Nada de forçar carinhos sexuais. Não existe nada mais chato! O garoto deve respeitar os limites da menina. Por outro lado, se a garota tomar a iniciativa, o menino deve estar preparado e não se assustar. Há meninas que já se sentem mais seguras para um relacionamento e conseguem se expressar com mais naturalidade. No entanto, se a menina for atirada e o garoto não gostar disso, ela também deve respeitar os limites dele.

Por fim, a parte mais difícil numa conquista: saber que há possibilidade de se levar um fora. Nem sempre se ganha neste jogo, e, por isso, é muito importante que o menino conheça seu valor. A conquista pode fracassar por razões que não têm nada a ver com o menino! A garota pode não estar pronta para namorar, ou gostar de meninos de outro tipo, ou ainda estar apaixonada por outro. O jogo da conquista exige coragem e sempre que o tão temido momento do “NÃO” acontecer, o garoto não deve perder a classe. O “NÃO” de hoje pode ser que um dia se torne um “SIM”. É sempre bom deixar a porta aberta. Boa sorte no amor!

Escrito por: Maria Helena Vilela

Tags: sedução,namoro

comentários.

Namoro virtual

O namoro virtual tá aí, e veio pra ficar. Não adianta os adultos condenarem, ou mesmo achar que é o fim do mundo alguém buscar encontrar sua cara metade pela internet, sem que nunca tenha tido qualquer contato pessoalmente. O que era ficção virou realidade, e faz parte do dia-a-dia de muitos jovens, e adultos também! Apesar das pessoas estarem conectadas por um computador, elas se observam, criam estratégias amorosas, atuam e decidem o rumo de sua própria história.

A comunicação entre os homens passou por sinais de fumaça, ruídos de tambores, mensageiros, correio aéreo, telégrafo, telefone e, agora, a internet... Uma questão de segundos, e pronto! Consegue unir milhares de pessoas que disparam ideias e imagens que podem perfeitamente nos fazer se apaixonar - sejam elas, vinda de pessoas reais ou de personagens criados para chamar a nossa atenção.  A Internet é uma comunicação poderosa; um canal para conversar, trocar experiências, passar o tempo, conhecer pessoas, e por isso muita gente chega a namorar.

O encontro amoroso pode dar certo ou não, ser desastre, mas também pode ser... muito bom!!   Portanto, é preciso estar de olho nos pros e contras de um namoro virtual.

Situações positivas:

Encontrar a pessoa que interessa – O grande lance da internet é a quantidade de pessoas que você pode conhecer. Ela cria a possibilidade de se acha de tudo: mulheres, homens, homossexuais e bissexuais, solteiros, casados, velhos, novos, engraçados, sérios, cultos... é uma espécie de vitrine virtual, de pessoas que como a gente, trabalham, estudam, e querem ser felizes.

Namorar – Não existe mais o problema de garotas e garotos estarem limitados ao relacionamento com pessoas que fazem parte do seu ciclo social. Se uma garota, por exemplo,  é uma pessoa caseira, ou mora numa cidade muito pequena, com poucas oportunidades para conhecer gente nova; com um computador e um pouco de tempo, logo, logo estará namorando. Segundo os entendidos, o negócio funciona! A internet é uma boa alternativa para quem quer flertar, namorar e até casar. Para se ter uma idéia, há um site de relacionamento que já conseguiu reunir um total de 16 milhões de cadastrados e, segundo o próprio site informa, recebe uma média de 2,5 milhões de visitantes únicos por mês.

Amplia o conhecimento afetivo e sexual – O anonimato deixa as pessoas mais a vontade para por em prática seus desejos e confessar o seu pensamento sobre a vida, suas vontades e seus sonhos. Isto pode ajudar as pessoas a conhecer melhor como garotos e garotas agem, pensam e se comportam sexualmente,  ampliando o olhar para a relação a dois. 

Treino amoroso- Namorar ao vivo, a cores, com alguém de carne e osso que pensa, fala, acaricia e tem desejos a serem compartilhados e negociados pode ser, inicialmente, muito difícil para o adolescente.  Alguns por terem vários amigos, se enturmam com facilidade e o "ficar" e namorar acontece naturalmente. No entanto, há jovens mais tímidos e reservados, que quase não têm amigos e esse contato afetivo não acontece, ou é até assustador. Ao mesmo tempo em que ele deseja, também tem medo. Há alguns anos, pouca coisa poderia ser feita a não ser enfrentar o medo ou ficar sem namorar. Hoje, o namoro virtual pode ser muito útil nestes casos. Ele permite treinar habilidades para um relacionamento real no futuro - aprende-se palavras, gostos e interesses do sexo oposto, ao mesmo tempo em que ajuda o jovem a desinibir e a se soltar de uma maneira mais segura.

Situações negativas:

O risco de decepção é maior – O namoro virtual não é um objetivo em si mesmo, é uma estratégia para conhecer alguém que possa vir a viver um amor no real. No contato direto com a pessoa que nos interessa, isso é fácil de se estabelecer: o olho no olho e a proximidade nos permite ver, admirar, senti o cheiro, e dificilmente, mentir. Pois, quando mentimos, logo somos traídos pelas atitudes e gestos... Já no mundo virtual, as pessoas se relacionam com alguém que ela cria na sua imaginação. Portanto, ao se conhecer pessoalmente, é muito comum haver uma decepção – se tem a sensação de estar com alguém estranho.

Dependência do site – A facilidade e disponibilidade do contato sexual e afetivo com as pessoas na internet aumentam a curiosidade e gera uma excitação que pode tornar muito difícil desligar o computador e voltar para vida real.  Isto é um problema! Só querer o namoro virtual, pode demonstrar uma dificuldade mais séria, um medo e incapacidade de enfrentar e conviver com o outro que afeta o desenvolvimento pessoal. No namoro real, você aprende as sensações que vem do contato com o corpo do outro, e aprende a respeitá-lo. No namoro virtual não há contato visual e físico e principalmente, é possível não respeitar o outro, não gostou, deleta.

Exige muita Cautela – É preciso muito cuidado e cautela para entrar no mundo do amor virtual. E como cautela e paciência não é fácil de encontrar na adolescência... o namoro virtual pode ser muito arriscado e desastroso! A dica é para que vocês façam este namoro acontecer como consequência de uma amizade, e não de buscas desesperadas. Conversem muito antes de um contato real, investigue, pesquise e, observe pra ver se a pessoa está entrando em contradição. E quando for conhecê-la, lembrem-se: nunca se sabe o que pode encontrar!! Portanto, não vá sozinha e sempre marque o encontro em local público, bastante frequentado.

Escrito por: Maria Helena Vilela

Tags: namoro

comentários.

O S.O.Sex - Serviço de Orientação Sexual à distância é uma das áreas de atuação do Instituto Kaplan. Criado em 1992, tem como objetivo atender as pessoas que buscam esclarecimentos de suas dúvidas sexuais, por meio de atendimento gratuito e personalizado. Até 2011 mais de 150.000 dúvidas foram esclarecidas e hoje atendemos poEmail. Saiba mais sobre nosso trabalho e resultados.